domingo, 28 de outubro de 2007

180 Anos do O. Nacional

Observatório Nacional completa 180 anosRedação O Estado do Paraná [28/10/2007]
Ronaldo Rogério de Freitas Mourão
Foto: Arquivo/Observatório Nacional
A biblioteca na Igreja Jesuíta no Morro do Castelo (1871) e a sede do Observatório Nacional, em São Cristóvão (1920).
Em 27 de setembro de 1827, a Assembléia Geral Legislativa do Império autorizou ao governo criar um observatório, subordinado ao Ministério do Império, cujas normas fossem determinadas pelos professores da Academia Militar e da Marinha. Um decreto de Dom Pedro I, em 15 de outubro, determinou que o Visconde de São Leopoldo, ministro do Império, iniciasse as atividades de criação do Observatório Astronômico do Rio de Janeiro, no lugar que se julgar mais apropriado. A nova instituição deveria orientar os estudos geográficos, geodésicos e astronômicos do território nacional e, também, atender às necessidades da navegação.
Este ato de criação é, na realidade, a legalização do Observatório Astronômico, que existia desde 1780, no Morro do Castelo, onde o astrônomo português Bento Sanches da Orta (1739-1825) já havia realizado observações astronômicas e meteorológicas, publicadas nas Memórias da Academia Real das Ciências de Lisboa, em 1797. O principal instrumento deste observatório - um quarto de círculo Sisson - encontra-se atualmente em exposição no Museu de Astronomia e Ciências Afins.
Como o Observatório de Paris, o nosso também funcionou inicialmente sem um diretor. Foi o professor de matemática da Escola Militar, Pedro de Alcântara Bellegarde (1807-1864), quem ficou encarregado do observatório, no torreão da Escola Militar. Em 1843, Bellegarde determinou a posição do cometa 1843I em relação à estrela Aldebarã, com o auxilio do quarto de círculo Sisson.
Mais tarde, em 1845, Jerônimo Francisco Coelho, ministro da Guerra, nomeou para diretor do Observatório o francês Eugênio Fernando Soulier de Sauve (? - 1850). Pelo decreto número 457, de 22 de julho de 1846, criou-se o Imperial Observatório do Rio de Janeiro, com os objetivos de “fazer todas as observações astronômicas e meteorológicas úteis às ciências, em geral, e ao Brasil, em particular, publicar anualmente uma efeméride e formar os alunos da Escola Militar”. Os primeiros instrumentos foram cedidos pelo próprio imperador D. Pedro II, como consta do prefácio das Ephemerides para o ano de 1853, e que possuía no Palácio da Quinta da Boa Vista um observatório - o primeiro de São Cristóvão.
Em 1850, com o falecimento de Soulier de Sauve, assume a direção Antonio Manuel de Mello (1802-1866). Foi o responsavel pela criação e edição dos Anais Meteorológicos e das Efemérides do Imperial Observatório Astronômico do Imperial Observatório.
Em 1870, o francês Emmanuel Liais (1826-1900), convidado para dirigir o Imperial Observatório, só aceitou o cargo após ter sido o Observatório desligado da Escola Militar. Em 1871, o médico Camilo Maria Ferreira Armond (1815-1882), Visconde de Prados, assume a direção do Observatório, por ocasião da viagem de Liais à França. Nesta administração, dois astrônomos são enviados à França para se aperfeiçoarem. Três anos mais tarde, Liais volta da Europa, com diversos novos equipamentos, dentre eles uma luneta Dollond de 25 cm que, ao lado da meridiana de mesma marca, destinada à determinação da hora, seriam os mais importantes instrumentos instalados no Observatório até 1920, apesar de terem sido adquiridos vários outros que permaneceram guardados.
Foi por ocasião da passagem de Vênus pelo disco do Sol, em 1882, quando diversas críticas foram feitas no Parlamento à organização do Observatório, que ocorreu a sua institucionalização. Neste trabalho, coube ao astrônomo belga Luis Cruls (1848-1908), que ocupou a direção em 1886, um importante papel. Além das pesquisas astronômicas, editou os Anais do Imperial Observatório, a Revista do Observatório e o Anuário (única publicação periódica que se edita até hoje).
Toda esta atividade científica foi efetuada num prédio pouco sólido. Desde 1871, Emmanuel Liais havia solicitado ao governo a transferência do Observatório para um local mais conveniente aos fins a que se destinava. No entanto, apesar do interesse de D. Pedro II pela Astronomia, o Imperial Observatório lá ficou instalado. Em 1886, Luís Cruls reiterou o pedido, conseguindo, dois anos mais tarde, que o Parlamento votasse uma verba que permitiu, um ano depois, o início da construção do novo Observatório na Fazenda Santa Cruz. Vários instrumentos foram encomendados: uma equatorial astrofotográfica, doação particular do imperador D. Pedro II (destinada ao mapeamento fotográfico da região do céu que coube ao nosso país), bem como a equatorial Cooke e um grande círculo meridiano Gauthier. Com a proclamação da República, o Observatório passou para o Ministério da Guerra, quando então a idéia da sua mudança para o local escolhido foi posta à margem. Ocorreu a reforma Benjamim Constant. Créditos novos foram concedidos para a transferência. Os anos se passaram sem que a comissão especial constituída para a escolha do terreno se decidisse. Tanto tempo foi gasto que a verba caducou e não foi mais renovada.
Problemas forçaram mudança
Em conseqüência, a equatorial Cooke e a equatorial da Carta do Céu não foram montadas. Como o tubo deste último instrumento era de madeira, acabou destruído pelo cupim e pela chuva que penetrava no galpão (a parte do levantamento da Carta do Céu foi, mais tarde, executada pelos astrônomos argentinos e australianos). A equatorial Cooke quase foi destruída pela ferrugem. Escapou o círculo meridiano Gauthier, instalado provisoriamente numa casa de madeira, tão pequena que era impossível utilizá-lo. Assim, no Morro do Castelo a área era tão limitada que foi impossível aproveitar os novos instrumentos. De fato, por ocasião da passagem do Cometa Halley, as observações foram efetuadas com o instrumento parado, pois o acompanhamento não funcionava.
A necessidade de transferir o Observatório do Morro do Castelo para o novo local deu origem a uma comissão que, depois de estudar diversos locais da cidade, escolheu o Morro de São Januário, em São Cristóvão. Em 11 de agosto de 1911, o Decreto n.º 8.900 desapropriou os terrenos compreendidos entre as ruas General Bruce, General Argolo, Viana (atual General José Cristina) e Senador Alencar, a fim de neles ser instalado o Observatório.
Em 1920, terminou-se a construção do prédio principal do Observatório Nacional, em São Januário, após uma série de contratempos. O projeto arquitetônico é de autoria do astrônomo Mário Rodrigues de Souza (1889-1973) e foi executado pelo engenheiro João Mattos Travassos. A transferência oficial deu-se em 6 de fevereiro de 1921. Para essas novas instalações, foi adquirido o mais moderno instrumental, que se compõe de uma poderosa luneta equatorial Cooke, de 46cm de abertura, onde estão acopladas duas câmaras astrofotográficas Taylor, de 25cm de diâmetro.
Em 1929, o astrônomo Alix Corrêa de Lemos (1877-1957), substituto interino de Morize, iniciou um ousado projeto de construção de um observatório astrométrico e astrofísico - grande sonho de Morize -, que deveria ser instalado fora da cidade do Rio de Janeiro, tendo em vista as condições já na época desfavoráveis para observações mais apuradas. Em 1937, chegou a ser redigido o contrato com a firma alemã Carl Zeiss para que fosse encomendado um telescópio de 1,68 metro, um astrógrafo de 40cm de abertura e Ascorecord destinado as medidas astrométricas do novo observatório. Tal encomenda foi cancelada em virtude da Segunda Guerra. Com readmissão do Brasil à União Astronômica Internacional, em 1961, a idéia de um observatório moderno ressurge das cinzas. Com efeito, na administração de Luiz Muniz Barreto (1925-2006), em 1972, o projeto de instalação de um observatório astrofísico foi aprovado pela Finep, quando então foi encomendado o grande refletor cassegrain-coudé de 1,60m, principal instrumento instalado em Brasópolis (Minas Gerais), em 1981, que deu origem ao Laboratório Nacional de Astrofísica. Importantes contribuições têm sido realizadas em astronomia, astrofísica, cosmologia e geofísica, graças aos jovens pesquisadores que, em conseqüência da renovação de mentalidade universitária, é atualmente constituída por engenheiros, geofísicos, físicos, matemáticos e astrônomos, dirigidos pelo geofísico Sérgio Luiz Fontes. (RRFM)
Ronaldo Rogério de Freitas Mourão é astrônomo, fundador e primeiro diretor do Museu de Astronomia e Ciências Afins. É autor de mais de 85 livros, entre outros do “O Livro de Ouro do Universo”.

Nenhum comentário: