quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

A PROCURA

CONSTRANGEDOR - Irmã, por favor, me ajude, porque ainda não consegui localizar a igreja! - Mas, pastor, o senhor está bem pertinho! Olha, siga duas ruas à frente após o semáforo e desça à esquerda. No quarto cruzamento vire à esquerda e vá para o número 252. - Ah, meu Deus, direita, esquerda, semáforo, irmã, eu vou me atrasar um pouquinho! O pastor estava procurando a igreja Batista da Vila Colônia. Mas a cidade é grande e era a sua primeira vez naquela região. Levou consigo o guia de ruas, mas, por via das dúvidas, deixou o celular ligado. Tentou orientar-se com a secretária da igreja, que era a esposa do pastor local. Mas ele estava tão aflito, que não conseguia nem achar o semáforo. - Segunda, terceira, ah, droga, cadê esse semáforo? Eu vou chegar atrasado! Meu Deus, me ajude! - Calma, pastor, o senhor vai conseguir já, já! - disse a secretária, do outro lado da linha. Subitamente o pastor cruzou a terceira travessa, enquanto falava com a moça. Foi quando tentou cruzar a terceira travessa. Não percebeu que havia um semáforo bem no cruzamento, e o sinal era vermelho. Ele passou. Na rua que cruzava um outro veículo vinha devagar, obedecendo ao sinal verde. Ao perceber o descuido do pastor, acabou brecando violentamente e conseguiu evitar uma tragédia. Bem, evitou a batida, mas a tragédia... Ele esqueceu de desligar o celular. A irmã o chamava: - Pastor, pastor, o que aconteceu?! O outro motorista, que fora cortado, sem saber que o pastor estava perdido, começou a gritar: - Seu imbecil, não viu que o sinal estava vermelho pra você? - Imbecil é a sua mãe, seu palhaço! Eu cruzo no vermelho quantas vezes quiser e ninguém tem nada com isso! Vai encarar? - Olha, não me ameace não, porque você não sabe com quem está mexendo... - Ah, judiação do nenê! Tô morrendo de medo! Vem, vem me pegar, seu sem-vergonha! Vem se você for homem! A secretária, atônita, pensou: - Meu Jesus, e agora? Ele vai apanhar na rua! E o meu marido que não chega... O motorista do outro carro parou e desceu. Tinha um pedaço de pau dentro do carro, que ele tirou com ares de superioridade. O pastor, por sua vez, sangue quente, enfiou a mão por debaixo do banco e tirou o extintor de incêndios. - Ele quer briga? Pois vai ter! - pensou. Ambos estavam na rua. O celular do pastor estava pendurado na cinta. E a secretária já estava rouca de tanto gritar, inutilmente. - Olha aqui, seu barbeiro - falou o outro motorista - É melhor ir andando, se você tiver amor pelos seus filhos. Você está errado e vai apanhar aqui e agora. Assim, saia enquanto é tempo! - Seu cafajeste, pensa que a rua é só sua? Só você sabe guiar? Vem, vem aqui com o papai, que eu te dou um banho de espuma! A secretária já estava roxa de tanto gritar e agora ficava pálida: eles iam brigar! Mas, subitamente, o outro motorista disse: - Quer saber de uma coisa? Você é insignificante demais pra mim. Não vou estragar meu pedaço de pau numa cabeça tão oca quanto a sua. Dá o fora, imbecil! - ahahahah, amarelou, né, palhaço? Pois eu é que não vou gastar o meu extintor num cara que não honra as calças. Vá pro inferno e não cruze mais comigo! - Vá pro inferno você, babaca! Os dois entraram nos seus carros e saíram cantando pneus, quase batendo novamente. Mas foram embora. O pastor parou o carro e começou a xingar: - Cara fdp, v, c, &*()( #$@R%^^^& (palavras intraduzíveis, caríssimo leitor. Qualquer dúvida, pergunte para a secretária, que estava na linha, ouvindo tudo). Então, lembrando-se das conferências da noite, cujo tema era MANSOS COMO CRISTO, parou um pouco, tentou lembrar-se do endereço e tentou ligar pra secretária. Sem aperceber-se que havia linha no aparelho, apertou os botões e disse: - Alô? Já atendeu, irmã? Que rapidez! Ela, escandalizada, envergonhada, decepcionada, sem ter o que dizer, falou: - Desce a segunda à direita e vira à esquerda. Número 252. E rapidamente o pastor chegou à igreja. Estacionou, escolheu o seu melhor sorriso, disse consigo mesmo que aquelas coisas acontecem e são passageiras, desceu do carro e, em lugar do extintor, tomou a bíblia e o hinário. As pessoas, ansiosas por cumprimentarem- no, aproximaram- se. Ele, cortez e cavalheiro, a todos atendeu com carinho. O pastor da igreja, que chegara atrasado, estava ocupado na sala de reuniões e iria entrar no decorrer do culto, para apresentar o pregador. O culto começou. Orações, leituras responsivas, corinhos da equipe de louvores, números especiais, um culto e tanto! O pastor-visitante estava feliz. Então, antes de passarem a palavra para ele, chamaram o pastor da igreja, para que ele fizesse a apresentação. O pastor da igreja não o conhecia pessoalmente, só por fama de bom pregador. Foi quando o pastor entrou, pela porta dos fundos, ao lado da esposa, a secretária da igreja. O pastor visitante estava de costas, falando com um corista. O pastor da igreja olhou para o auditório, olhou para o pastor e ficou mudo. O povo imaginava que ele estivesse escolhendo as palavras para apresentá-lo de forma polida e diplomática. Afinal, ele gostava de honrar os visitantes. Mas o silêncio estava custando a passar, e começava a ser constrangedor. Algumas bagas de suor escorriam pela testa do pastor. O pastor visitante, de repente, sentado onde estava, envermelhou- se e abaixou a cabeça, no maior silêncio também. Agora a igreja estava preocupada. Os adolescentes diziam: -"Aí, meu, da hora esse suspense! Acho que pintou sujeira, saca só!" Um garotinho de dois anos olhou pra mãe e perguntou: - "Mamãe, o pastor usa flaldas também? Ele tá fazendo a mesma cala que eu faço quando tô fazeno cocô" . E a mãe: "Cala a boca, menino!" Um seminarista cutucou a namorada, com ares irônicos, e falou: - Tá vendo, bem? Até ele esquece o esboço de vez em quando. Não sei porque só falam de mim". Silêncio na igreja. Um olhava para o rosto do outro, sem saber o que fazer. O coral fazia gestos ao regente, que os mandava aguardar. Eram duzentas pessoas suando, sem saber nem porquê. E o pastor, no púlpito, começou a chorar. A igreja pensou que ele tivesse recebido uma notícia ruim. Mas, estranhamente, o pastor visitante também, e de soluçar! Um universitário, novo convertido, exclamou: - Poxa, cara, surrealismo pós-moderno! Divino! O choro dos dois, cada um no lugar onde estavam, era tão comovente, que muitos começaram a chorar também, sem terem a mínima idéia do porquê. Um crente pentecostal, que estava alí, arriscou a dizer para os seus colegas de banco: - Aleluia, irmãos, acho que ele recebeu o batismo! Eu sabia! Um dia ia acontecer! Aleluia! O pastor visitante levantou-se e desceu da plataforma, chorando. Realmente comovente. Estava indo embora pelo corredor lateral, quando o pastor da igreja disse, ao microfone: - ESPERE!!! - Pra quê? - Porque somos crentes! Então o pastor visitante estacou, virado de costas. O pastor da igreja começou: - Irmãos, há cerca de uma hora eu e ele quase saímos no tapa no cruzamento da rua de cima, por causa de uma briga de trânsito. Ele iria me dar um banho de extintor de incêndios, e eu iria surrá-lo com um pedaço de pau que guardo no carro. Amados, quando é que eu iria imaginar que esse era o homem que eu havia convidado para pregar aqui na igreja hoje? E o pastor visitante, do corredor, exclamou: - E como eu iria saber que o senhor era o pastor da igreja que eu estava procurando? Voltaram a chorar. Agora a igreja chorava de gosto, porque sabia a razão. Um velho diácono, experiente, sincero, leal e consagrado, tomou a palavra e disse: - Igreja, que sermão melhor poderíamos ouvir sobre ser MANSO COMO CRISTO? Esses pastores, humanos, pecadores, falhos, mostraram para nós tudo quanto não devemos fazer, e certamente muitos de nós fazemos até pior! Nós só não temos coragem de dizer! Mas, se eles pecaram, Jesus é fiel e justo para perdoá-los e purificá-los! E essa é a maior lição! Pastores, vocês são crentes! Lembrem-se do que diz a Bíblia: "irai-vos e não pequeis, não se ponha o sol sobre a vossa ira" (Rm 12.19). Vocês acham que Jesus faria o que vocês fizeram? Ele era manso! Sejam mansos também! E agora façam o favor de se reconciliarem e glorificarem ao Senhor! Vamos, pastores, o que estão esperando? Envergonhados, pálidos, assustados, os pastores saíram de seus lugares e, nas escadas da plataforma, abraçaram-se, pedindo perdão um para o outro, em lágrimas comoventes, que marcaram a vida daquela igreja. Naquele dia o sermão não foi pregado com palavras, mas proclamado com atitudes. Não pelo pecado que cometeram, mas porque aprenderam que pecar custa muito caro. E Deus usou o velho diácono como nunca havia usado. Seja Deus engrandecido. Faz 4 anos que isso aconteceu. E há 4 anos essa igreja não tem mais problemas de ressentimentos ou mágoas, porque, assim que surgem os problemas, são tratados com responsabilidade. Afinal, ninguém quer passar o vexame que os pastores passaram. POIS SENDO RESGATADOS POR UM SÓ SALVADORDEVEMOS SER UNIDOS POR UM MAIS FORTE AMOROLHAR COM SIMPATIA OS ERROS DE UM IRMÃOE TODOS AJUDÁ-LO COM BRANDA COMPAIXÃO SE TUA IGREJA TODA ANDAR EM SANTA UNIÃOENTÃO SERÁ BENDITO O NOME DE "CRISTÃO"ASSIM O QUE PEDISTE EM NÓS SE CUMPRIRÁE TODO O MUNDO INTEIRO A TI CONHECERÁ (hino 381 do Cantor Cristão, AMOR FRATERNAL, segunda e quarta estrofes) Pr. Wagner Antonio de Araújobnovas@uol.com. br 20/04/2002

Nenhum comentário: