domingo, 20 de maio de 2007

TERTULIANO

Na última década do segundo século, um brilhante advogado, na frenética cidade norte-africana de Cartago, converteu-se a Cristo.
Sabemos pouco sobre as circunstâncias que cercaram sua conversão, mas sabemos que Quinto Sétimo Frorente Tertuliano ( conhecido na história como Tertuliano ) tornou-se, em seguida, um dos mais notáveis cristãos de sua época, deixando em seus escritos um legado que até hoje influencia a igreja. Como Tertuliano foi o primeiro pensador cristão de porte a escrever em latim, sua terminologia definiu a teologia na igreja ocidental e em suas ramificações desde então.
Tertuliano, ao dedicar-se às necessidades do momento, escreveu sobre diversos assuntos correntes. Em primeiro lugar, ele defendeu vigorosamente a fé cristã contra os ataques e as perseguições dos governantes romanos. Depois, produziu tratados teológicos, éticos e disciplinars para os cristãos, de forma muito semelhante à exercitada pelo próprio apóstolo Paulo, ao escrever suas cartas dirigidas aos membros da igreja primitiva. E, quando " uma certa mulher venenosa da seita dos cainitas [...] desviou a muitos com sua doutrina excepcionalmente pestilenta, dedicando-se de forma específica a destruir o batismo", Tertuliano dedicou-se ao assunto e escreveu De baptismo, sua Homilia sobre o batismo. É de suma importância para a questão do batismo em nossos dias, pois contém a primeira referência explícita ao pedobatismo em todos os escritos cristãos, incluindo as Escrituras. Tertuliano escreveu:

Conclui-se que o adiamento do batismo é mais lucrativo, conforme o caráter, a atitude e, até mesmo, a idade de cda pessoa; quanto mais no que se refere às crianças. Pois que necessidade há , se não há na verdade necessidade alguma, de até mesmo os padrinhos se arrisquem, visto que podem falhar em sua promessa ao morrer ou ser enganados pelo surgimento de alguma inclinação diabólica? Nosso Senhor em verdade diz: " Deixem vir a mim as crianças". Pois, assim, deixem-nas vir, enquanto estiverem crescendo, aprendendo e sendo ensinadas sobre o reino. Deixem que se tornem cristãs quando tiverem capacidade para conhecer a Cristo. Por que deveria a infância, inocente, se apressar rumo à remissão de pecados? Devíamos ser menos cautelosos com isso do que em questões mundanas? Alguém que não é confiável no que diz respeito a bens terrenos deveria ser incumbido dos celestiais? Permita que primeiro aprendam a pedir por salvação, antes que você seja visto lhes dando o que pedem. É igualmente justificável reter o sacramento àqueles que não são casados, até que se casem ou estejam firmes no celibato. Até lá, a tentação está à espreita. Para as vírgens porque estão prontas para isso, e para as viúvas visto que estão a vaguear. Todos aqueles que compreendem o fardo que é o batismo, temem mais obtê-lo do que adiá-lo. A fé, deixada incólume, não hã duvida de sua salvação.

( Bridge,Donald. Águas que dividem. São Paulo: Ed. Vida, 2005, p.65,66 )

























Nenhum comentário: